O poeta ou o crítico? – O erro.

Talvez a audiência que estava em nosso 3º Ciclo de Críticas com Carlos Felipe Moisés tivesse  a expectativa de descobrir, da boca do poeta,  o verdadeiro sentido de sua poesia: ficou sem saber.

Tu não verás, Marilia, cem cativos

CFM faz mais que leitura de seus poemas publicados (Inconfidência,  Boi raiado em penumbra, Gesto).  Demonstra o erro, a impossibilidade que existe na ambição de encontrar um sentido único na crítica da poesia.

Revelou, através das motivações que envolveram  a produção desses poemas, a  distância que existe até a interpretação lógica do poema. Deixou explícita  a fragilidade do processo de composição, o abismo existente ente a criação e a leitura:

-Você sabe o que essa interpretação significa? Nada.”  

Um poeta perdido no escuro da noite nula?

É assim que encontramos CFM. Entre diálogos com fantasmas de sua cultura, que deflagram seu fluxo de sentimentos intempestivos.

Sua desordem poética, ritmada, laborada à exaustão, continua: Os poemas inéditos (até agora), que generosamente nos trouxe, confirmam seu vigor na luta com as palavras, na contínua obsessão em propor múltiplas possibilidades de leitura de sua poesia.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s