O poeta ou o crítico? – O óbvio incomoda o vazio.

Terminando sua apresentação no 3º Ciclo de Críticas, Carlos Felipe Moisés desmonta o pedantismo vazio das frases de efeito de um suposto pensamento contemporâneo, através da simplicidade:

Mesmo se publicado, se o livro não for lido, ele não existe

É resposta óbvia à recriação do texto. Um princípio elementar, mas  esquecido na produção dos autores de crítica, que inventam interpretações infundadas.

Entre o Poeta e o Crítico, o professor deixa uma dica:

A crítica é um exercício, tentativa. Vai ser imparcial,  incompleta e unilateral. O que todo crítico faz é escolher um aspecto. Convém ao crítico ser humilde.”

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s