AS MINIATURAS de ANDREA DEL FUEGO por Sandra Schamas

07-_MG_2818.CR2Em Os Malaquias, a jovem escritora Andréa Del Fuego faz uma bela homenagem aos seus antepassados e ganha o Prêmio Saramago 2011. Conta a história dos seus bisavôs, que morreram atingidos por um raio deixando órfãos o avô e outros tios avós. Com narrativa emotiva, linear e encantadora a obra premiada já define o talento da autora na qualidade da trama bem construída.

Já no novo romance As Miniaturas, lançado em 2013 pela Companhia das Letras, Andréa surpreende pela criatividade. O conceito que perambula nas conversas literárias de que tudo já foi escrito perde seu rumo nas páginas do livro onde a história é contada por uma trindade: Oneiro, Mãe e Filho. Entre o urbano cru e o onírico-burocrático, a trama se desenrola no cenário de uma cidade que parece ser São Paulo. O ponto principal é o Edifício Midoro Filho, um prédio grande, com organizado e constante fluxo de pessoas que querem e precisam sonhar, apesar de não se lembrarem de nada depois. “O Edifício sugere o sonho usando o próprio, assim como a gramática usa a palavra para falar da frase.”  –  explica a autora perspicaz.

Oneiros e sonhantes encontram- se nas salas quadradas quase assépticas do estranho edifício, os primeiros como uma espécie de terapeutas dos sonhos; os outros como pessoas comuns que têm dificuldade para sonhar.  As duas palavras – oneiros e sonhantes – causam breve estranhamento no início, mas este logo se dissolve e acaba estabelecendo credibilidade dentro de um sistema que oscila entre o real e o imaginário. Os estímulos para o processo de sonhar apresentado pelos oneiros são “miniaturas  escuras, com brilho de plástico novo”, devidamente catalogadas e que podem ser um dinossauro, um rato ou um chapéu de Napoleão.

“ Quando os olhos dão cambalhotas debaixo da pálpebra, é sinal de que o sonhante está apto, vendo sistemas solares, invadindo a Rússia, emagrecendo a mãe, perdoando cães, dando palestra em Mônaco. Vou além das miniaturas, embora eu não assista palestra e nem saiba onde fica a Rússia.” Essa é a voz do oneiro – soprada por Andrea – que depois explica sua metodologia para crianças, adolescentes, adultos e anciãos.

Um oneiro conceituado deve ser muito bem treinado, seguir um rígido código de procedimentos e ter 25 miniaturas, no mínimo, além saber interpretar que sonhar com camelo, por exemplo, representa a volta de alguém que já o importunou. As leis são claras: não é permitido a um oneiro atender duas pessoas que sejam parentes. O que  narra história acaba desrespeitando o código por se dar conta, um dia, que atendia a mãe e o filho, e por um envolvimento incomum que acaba virando obsessão.

A mãe cuja narrativa arrasta o leitor para dentro de seus pensamentos, é motorista de táxi e luta para criar sozinha o filho adolescente. O filho é frentista e sabe que a única maneira de silenciar a mãe é obedecer.

Outros personagens aparecem, como o gerente do posto de gasolina, a jovem esposa e seu bebezinho, uma vidente, que a mãe consulta para tirar dúvidas sobre a sexualidade do filho. Já o oneiro, que atende mãe e filho recorre, a uma “vidanta” do Edifício Midoro Filho para enxergar com mais clareza o próprio trabalho. O humor aparece em alguns momentos, na dose certa,  como na descrição das fotos de capa do Algodão, publicação interna que circula no Edifício.  “ Na capa de agosto puseram um camelo com deficiência visual, usava um óculos para não impressionar os leitores com os buracos no focinho.” […] “na capa de abril era uma borboleta idosa com falha nas asas.”

Andrea aplaude os escritores Ivana Arruda Leite e o Marcelino Freire. Com eles tem também, segundo ela, o privilégio de compartilhar trabalhos. Dos clássicos, “ouve” William Faulkner, Nabokov, Stendhal, Kafka, Melville e Machado de Assis. Desse amálgama precioso  tira a prata cristalizada e a transforma em maneira peculiar de colocar ideias e palavras no papel, e estas fluem como uma voz suave e resoluta a seduzir o leitor.

A realidade urbana e as pessoas comuns, oneiros e sonhantes,  videntes e vidantas se entrelaçam com jogo do bicho, tarot, interpretação dos sonhos e outros misticismos, trazem a mensagem: “se o sujeito que comanda os sonhos não é capaz de prever nada, os sonhos também não são.”

Além dos personagens tão bem estruturados que parecem com pessoas que encontramos a todo momento na cidade grande, o próprio Edifício Midoro Filho com suas estruturas visível  e invisível, o táxi como segunda pela da mãe, o posto de gasolina onde muito acontece, a Kombi, a segunda Kombi e até máquina fotográfica do filho ajudam a constituir o organismo independente, inteligente e autossuficiente que é o brilhante As Miniaturas.

Sandra Schamas

Jardim Alheio, 12 de dezembro 2013

Anúncios

Um comentário sobre “AS MINIATURAS de ANDREA DEL FUEGO por Sandra Schamas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s